Fotografia (026) O lado bom da luz



Na pintura, é essencial que o artista conheça o comportamento da luz e seus efeitos. Na fotografia não é diferente – na verdade a essência da produção de imagens fotográficas herdou muito das ideias, conceitos e movimentos da evolução na história da pintura.

Recomendo que pesquise pela obra de grandes pintores. Logo verá que a luz (pesquise Johannes Veermer) e as sombras (pesquise por Caravaggio) são aulas de “fotografia” impagáveis.

Na fotografia, há quem prefira ambientes de luz controlada e quem tenha mais interesse por luz natural. Em ambos os casos a observação do comportamento da luz e seu casamento com as sombras tem grande impacto emocional na apresentação de retratos.

Temos falado de retratos ou do uso do elemento humano em composições nos últimos artigos, mas o conteúdo deste dos artigos anteriores é aplicável em diversos ramos da fotografia. Recomendo que leia com a mente aberta e entenda que a fotografia envolve tudo o que é visível, mas também importa tudo o que é subjetivo, sugestivo, abstrato e emocional.

Hoje falaremos de luzes que se relacionam e podem confundir:

  • Luz lateral – é a luz que penetra por um dos lados do quadro.
  • Luz dividida – é a luz que que se projeta sobre a metade de algo em contraponto ao lado oposto.

Parece confuso, mas iremos por partes para facilitar o entendimento.

LUZ LATERAL


https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/ea/Jan_Vermeer_van_Delft_003.jpg

Na maravilhosa obra de Johannes Veermer, com o título de Girl Reading a Letter at an Open Window (Menina que lê uma carta em uma janela aberta), do ano aproximado de 1658, a luz penetra por uma lateral do quadro e ilumina o que mais importa, mas também se expande para outras partes.
Note o arranjo dos elementos (cama, cortinas, dobras de tecido, sombras...). Tudo cuidadosamente pensado e planejado para colaborar com o momento que se desenrola.
A luz lateral navega por todo o cenário e a profundidade se dá pelo avanço dessa luz, em conjunto com o ponto de vista do observador e pela perspectiva de seus elementos.

Vindo ao “mundo moderno”, a fotografia “copia” estas ideias de iluminação.

Quais são vantagens da luz lateral?
  • Apelo dramático (quando optamos pelo alto contraste);
  • Ou carrega delicadeza e interesse por criar diferenças entre partes de um mesmo elemento;
  • Reforça as formas, pois a luz sofre a obstrução de barreiras em seu percurso. A queda de intensidade da luz lateral é facilmente percebida em função da distância de sua fonte;
  • Revela texturas, pois ilumina objetos de forma “desequilibrada”. A luz, quanto mais distante da fonte, menos intensidade terá e algumas barreiras podem atenuar estas intensidades;
  • E aumenta a sensação de profundidade (aparência tridimensional), que já comentamos acima.
    99% das câmeras do mundo são monoculares, ou seja, registram o mundo de forma bidimensional (sem profundidade). Um dos grandes trunfos na fotografia está em alcançar grande similaridade com o que os nossos dois olhos (visão binocular) podem perceber. O bom uso da luz induz esta sensação 3D.

Parece confuso? Irei apresentar diversos exemplos e comentarei cada um para que você guarde as vantagens descritas acima.

LUZ DIVIDIDA (Split)
Os seres humanos compartilham, com muitos outros seres na fauna, de simetrias. A principal delas, que usaremos neste artigo, é a simetria bilateral. Para ser mais exato, estaremos falando do Plano Sagital, que estabelece um corte imaginário para dividir o corpo externo em metades.



Licensa de uso: http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Plano_Sagital#/media/File:Human_anatomy_planes-ES.png

Nenhum ser humano é perfeitamente simétrico, porém o Plano Sagital cria fatias de grande similaridade. Interessante né... você já havia percebido como estamos conectados à natureza e grande parte da diversidade da “nossa” fauna?

Então podemos posicionar uma fonte de luz ou o elemento desejado, de forma que a luz lateral se projete numa dessas metades simétricas em detrimento da outra? Sim, e seu nome passa para Luz Dividida (que é um tipo de iluminação lateral).

Eu prefiro usar o nome desta luz em inglês, portanto chamarei de Split. Vamos ao exemplo.

Essa luz reforça o mistério construído pelo figurino e expressão da personagem. Cabe dizer que o drama pode também refletir a personalidade da pessoa retratada... então a luz se casa com a personalidade real ou com um personagem.
A iluminação divide a face em duas partes e foi usada de forma a criar alto contraste, ou seja, a diferença entre o lado iluminado é grande, se comparado ao lado oposto. Como todas as outras iluminações, também pode se apresentar de forma sutil (de baixo contraste). Consegue perceber no exemplo abaixo? 

A luz aqui é difusa, porém apreseta direção. Podemos perceber que o lado direito do quadro está mais escuro.

No caso abaixo, estamos falando de luz lateral... mas espere, a luz Split compartilha destas mesmas características. A pessoa não está de frente para a lente, então é luz lateral.

As formas ganharão destaque. Note as irregularidades na testa, a bolsa abaixo dos olhos, as linhas do nariz e, com uma precisão grande de detalhes (texturas), temos a pele e suas marcas. Abaixo eu fiz um corte e acentuei o contraste para que você possa ver melhor.

Como eu disse antes, não fixe o conhecimento em retratos fechados. A combinação de movimento, luz lateral e alvo em posição que permita o efeito Split, dará um belo contexto para ensaios. Na verdada a face dela está virada um pouco mais para a direita do quadro e o corpo para o lado oposto, mas uma média de todo o esquema revela a ideia.

Um passeio descontraído, onde a luz ainda nos dá a sensação de tempo, clima e hora. Não esqueça que o nosso relógio biológico também é uma ferramenta (muitas vezes inconsciente) para se observar imagens. Use-o para construir suas fotografias também! ;)

Preste atenção na posição do Sol ou da sua fonte principal de luz. Observe janelas, portas, coberturas, copas de árvores e outras inúmeras condições que podem gerar incidência de luz lateral. Tire proveito dela para gerar luz Split.

No caso abaixo temos um simples objeto agindo como barreira... resultado: Luz lateral.
Por curiosidade, pelo que aprendemos em outro artigo, que posição de cabeça seria essa da menina? E nos outros exemplos, você saberia identificar esses ângulos da face em relação a câmera?



Gostou deste artigo? Role a tela para baixo, deixe seu comentário ou veja outros itens interessantes.

Antes de usar o conteúdo deste artigo para outros fins, por favor, consulte a nossa política de privacidade e direitos de uso.